Douglas na cozinha: creme de abóbora

Sim, isso é novidade até mesmo pra mim. Nunca fui chegado em cozinhar. Até mesmo fritar um ovo era um desafio e tanto para mim. Porém, não sei por qual motivo, no último mês me aproximei muito da gastronomia e parei de apenas desejar e invejar os pratos bacanas que vejo os outros fazendo ou assisto nos programas de TV. Meu primeiro desafio foi no fim de semana passado, que fiz crème brulée pro pessoal aqui de casa. Passei a semana toda com desejo de comer o creme de abóbora que é servido em um restaurante aqui de Lajeado, mas como estou evitando almoçar fora (oi, economia!), fiquei só na vontade. Até que na sexta-feira decidi procurar a receita na internet e eu mesmo fazer o prato. E eis que:

IMG_1693Fiz meu primeiro e apetitoso creme de abóbora. Todo mundo aqui de casa gostou e já foi eleito o prato do nosso inverno. Como a minha mãe trabalha até 22h30min, vai ser bom fazer um agradinho pra ela de vez em quando. E a partir de hoje vou apresentar algumas das minhas aventuras (sim, porque cozinhar comigo é uma aventura, não uma experiência) gastronômicas por aqui. Dei uma adaptada na receita, por isso, vou chamar de:

Creme de abóbora do gordinho

Ingredientes:

1 kg de abóbora

1 litro de água

3 tabletes de caldo de carne

1 lata de creme de leite

Bacon

Como faz?

O preparo é ridiculamente fácil, e dura em torno de uns 40 minutos. Primeiro você vai descascar a abóbora e ferver ela. Feito isso, leva ela pro liquidificador com um quarto de copo de água. Depois de batido, reserve. Pega um pedaço de bacon e frita (essa é a parte gorda da receita). Quando ele estiver num ponto que você curta, acrescente a abóbora batida, o caldo de carne diluído e a água. Mexa até virar um creme consistente. Na hora vai parecer que desandou tudo, mas calma, tudo se ajeita! Quando estiver cremoso, tire do fogo e acrescente o creme de leite. Pegue mais bacon e pique ele bem pequeno, mas pequeno mesmo. Frite bem, pra ele ficar quase torrado. Polvilhe por cima do creme e sirva. Rende pra mais ou menos umas 6 pessoas, com porções bem generosas.

Wishlist: moda + cultura

Há tempos eu não fazia uma wishlist por aqui. E pra falar a verdade, não tenho desejado muita coisa ultimamente. Estou numa fase menos apegada no material, então, pouca coisa me interessa. Claro que nesse meio tempo fiz algumas compras (principalmente quando viajei), mas adquiri objetos que eu precisava e estavam na minha lista de essenciais há tempos. A de hoje tem cinco elementos que eu pretendo adquirir ao longo do tempo.

wISHLIST MARÇO 20151 | Fiz o post das avarcas esta semana. Mas até então não tinha provado uma. Na noite que participei da gravação do programa Opinião da TV Informativo, o pessoal da loja Veste Bem levou algumas para os modelos e acabei experimentando. É realmente muito confortável e estilosa. Embora seja o número um da lista, não está entre minhas prioridades. Como usarei mais no verão, vou adiar a compra e, quem sabe, nem comprar, caso eu enjoe do modelo. Mas no momento, está na wishlist. Custa em torno de R$ 139,99.

2 | Quem assistiu o vídeo de livros de moda que fiz há um tempo, viu que este livro já estava na minha lista de desejos. E continua. Mas espero que em breve eu consiga fazer o investimento. Moda é F#%@, do Paulo Martinez, editor de moda super reconhecido, é um must have pra quem trabalha com produção de moda. Custa em torno de R$ 85  tem em várias lojas virtuais.

3 | Há tempos quero ter um chapéu, mas nunca comprei porque achava que não usaria. Depois que estive em Paris em pleno inverno, vi como as pessoas por lá usam o acessório pra dar um arremate incrível no look, decidi comprar. Só não comprei por lá porque a maioria dos modelos de feltro, que é o material que eu quero, era muito grande. Achei o da foto no site Passarela.com e me apaixonei. Custa R$ 139,99 e vai entrar na minha cesta em breve.

4 | Pra quem ainda não sabe, Grande Hotel Budapeste, dirigido por Wes Anderson, ganhou Oscar de melhor figurino e melhor maquiagem (a senhora velha que aparece no começo do filme é a Tilda Swinton, pra vocês terem uma ideia da perfeição do trabalho). Já assisti, mas os meus filmes preferidos gosto de ter em DVD. E como ele está entre eles, cá está na lista de março. Como abril é meu aniversário, espero que ele entre na minha listinha de presentes. Hahaha… Também está à venda em várias lojas virtuais, pela bagatela de R$ 19,90.

5 | As botas estilo atividades out door ou nesse estilo lenhador estarão super em alta neste inverno. Com a alta do homem lumbersexual o modelo da West Coast está com tudo. Foi hit no Hemisfério Norte e promete ser por aqui também. Se engana quem pensa que vai se restringir ao frio. Cada vez mais os caras usarão em combinações de verão, combinados até com bermuda. Esse modelo está disponível na Passarela.com, por R$ 249,99.

Outfit: camisa de poás

Ontem fui convidado para participar do programa Opinião, da TV Informativo, aqui de Lajeado. O tema eram as tendências de outono. Dessa vez não prezei tanto pelo conforto no outfit, mas sim no efeito visual. Da época que estudei televisão, lembro que o professor sempre dizia que o preto não era a cor indicada para o vídeo, por isso, optei pelo azul marinho com poá na camisa, combinado com uma calça caramelo.

IMG_1598Esse lance de usar a camisa por dentro das calças ainda é novo para mim. Durante anos não conseguia usar, mesmo achando bonito. Comecei a apostar enquanto viajava, porque via muito nas ruas, e acabei adotando no meu dia a dia. E percebi que, além de ficar visualmente bacana, ajuda a disfarçar a barriga.

IMG_1614Embora já estejamos no outono, ontem fez um dia digno de verão, muito quente mesmo. Pra usar a camisa nas temperaturas mais elevadas, a dica é dobrar a manga até ela ficar na mesma altura da camiseta. Também é legal optar por uma peça de tecido mais fino, de preferência natural. Explico: as vezes o tecido é bem fininho, mas é sintético. Reparem que a gente sua muito mais e ele demora a secar, é porque, ao contrário do algodão, ou material semelhante, ele retém a água e dificulta a secagem.

IMG_1636Adoro pulseiras que já vêm com a combinação de várias cores e estilos, como é o caso dessa. Para quem ainda está entrando na onda dos acessórios e não quer errar, são uma ótima opção. Anel é uma peça que os homens não estão muito habituados a usar. Tenho o meu há algum tempo e hoje combino ele tranquilamente com meus outfits. É só questão de criar o hábito. Ele é feito de madeira petrificada, então, chama bastante atenção (até mesmo pelo formato quadrado em cima), e rende uma conversa quando digo o material. Comprei ele numa feirinha aqui em Lajeado.

Créditos do look:

Camisa, calça e pulseira: H&M

Cinto: Renner

Anel: comprado em feirinha

Avarca, o sapato das próximas temporadas

Já ouviu falar em avarca, ou albarca? Se não, se prepare, porque logo vai ouvir muito. Essa é a sandália do momento, que está começando a ganhar o coração – e os pés – dos apaixonados por moda. A origem é espanhola, mas várias marcas estão criando suas versões.

Look avarca 1Mas antes de ser esse calçado lindo, com pegada fashion e super estiloso, a avarca teve muita história, sabia?

A versão mais tradicional é feita de couro, mas existem outras matérias-primas, como a madeira e, mais recentemente, o plástico e borracha. Surgiu para proteger os pés dos trabalhadores rurais. Por isso a sola era mais grossa e, muitas vezes, usado com meias, por não cobrir o pé todo. São considerados calçados práticos e, entre suas vantagens, está a produção com o material que tiver disponível, principalmente com restos de couro.

O modelo que está em alta no momento é a avarca menorquina (existem vários nomes, de acordo com a região, o desenho e os materiais). Surgiu na Isla de Menorca, uma região muito rochosa. Os moradores precisavam de calçados resistentes e ao mesmo tempo flexíveis. Nos anos 60 deixou de ser apenas um sapato para usar no campo e passou a ser usado no veraneio. Mesmo com a alta mais recente na moda, continua sendo um calçado folclórico da região, e é usado pelos trabalhadores do campo de lá.

IMG_1041Como tudo que vira moda, as avarcas ganharam várias versões. Pesquisei alguns modelos e encontrei até mesmo variedades com salto. Prefiro o tradicional, rasteiro, que pode ser usado tanto por homens quanto por mulheres. Poucas marcas masculinas oferecem esse modelo. Na minha pesquisa encontrei a Chiringuitas Ibiza, que é do Rio Grande do Sul e tem algumas opções que vão até a numeração 41.

Para as mulheres a gama é maior. Tanto os materiais, que vão do couro liso, passando pela camurça e o tecido, quanto em estampas e peças com recortes vazados. As cores vão desde as tradicionais preto e caramelo, até uma cartela de rosas, verdes e amarelos. Encontrei opções na Vizzano, Passarela.com e na própria Chiringuitas.

Como vocês podem ver, os preços variam bastante. Mudam de acordo com o material, acabamento e a produção. Espero que este seja o calçado do próximo verão e que marcas menores, que façam o trabalho de maneira mais artesanal, também sejam reconhecidas.

O uso é bem bacana e estiloso para o dia a dia. Fica uma graça se combinado com calça jeans de barra dobrada, ou um short para elas e bermuda para eles. Não se preocupe que, se seu trabalho for menos formal, pode substituir facilmente a sapatilha.

Marcas e lojas citadas: Chiringuitas Ibiza, Passarela.com e Vizzano

Look do dia: camiseta preta e jeans

Tem combinação mais básica que essa? A camiseta preta combinada com o jeans é um clássico, mas que está super em alta, e pode ganhar referências de moda. Desde que o normcore ganhou força, ainda no verão brasileiro e no inverno do Hemisfério Norte, fiquei meio obcecado no estilo. Quando viajei pra Europa e vi que estava com tudo por lá, decidi adotar de vez e dar um descanso pros exageros da moda. Vejam bem, é apenas um descanso. Não quer dizer que nunca mais usarei uma estampa extravagante ou algo do tipo.

IMG_1430O que eu mais gosto nos looks básicos (acreditem, até dois meses eu não tinha nenhuma camiseta lisa no armário), é a possibilidade de ousar em acessórios e adereços. Além de, claro, sempre dar aquele toque a mais com a finalização de styling. Dobrei a manga da t-shirt duas vezes, para demonstrar que mesmo sendo um visual tri basicão, ainda tinha informação de moda por ali. Fiz o mesmo com a calça, porque elas estão super em alta se usadas mais curtas.

IMG_1467Estou apaixonado por esse tênis, que comprei super barato na H&M de Paris (acho que custou uns 15 Euros). O sneaker branco está super em alta tanto para homens quanto para mulheres. E além desse modelo mais baixo, o esportivo continua super em alta. Daqui uns dias faço um look com um e mostro por aqui.

IMG_1439Eu amo pulseiras feitas com restos de couro. Há tempos queria uma nesse estilo, com mais faixas e achei em Paris. Não pensei duas vezes antes de comprar. Acho super bacana os homens inserirem acessórios nos looks, além dos relógios e cintos. É um arremate bem bacana, que tira até o mais básico dos visuais (aqui está a prova!) do lugar comum.

IMG_1442Quem acompanha meus blogs (sim, eu tinha outro antes), já conhece esse óculos. É um Alexandre Herchcovitch para Chilli Beans que eu sou apaixonado. Comprei há uns dois anos e um pouco depois o modelo começou a virar hit. Acho super atual e básico. Uso nos dias que estou sem inspiração, porque sei que ele “causa”!

IMG_1433

Como eu cuido da minha barba

IMG_1369Percebo que existem dois tipos de homens com barba: os que deixam ela crescer apenas para não terem o trabalho de se barbear, e os que cuidam dela como se fosse um filho. Eu sou um meio termo. A primeira vez que eu deixei ela “vingar” foi durante uma viagem que fiz para São Paulo e esqueci de levar o barbeador. Até então eu tirava todos os dias e me apavorei com a ideia de deixar os pelos crescerem. Quando voltei pra casa deixei mais uns dias e tirei.

Criei a rotina de deixar ela crescer durante a semana e tirar no sábado. Um bom tempo depois, deixava mais tempo. Até que fim do ano passado fui fazer a barba depois de umas duas semanas de crescimento e, enquanto tirava, decidi deixar o bigode. Digamos que foi uma experiência diferente, mas que eu não repito mais. O motivo vocês conferem abaixo:

BigodinFicou uma coisa meio Village People meets Lana Del Rey essa foto, né? Mas, o bigode, por mais que tenha sido uma fase rápida e que não me agradou tanto, foi essencial para eu deixar a barba crescer. No início foi por preguiça, confesso. Sempre pensava em tirar, mas acabava deixando. Vi que chamou atenção, muita gente gostou e decidi deixar, principalmente porque iria viajar para o frio e isso compensaria o sofrimento de ter uma bola de pelos na cara no calorão.

Nesse tempo, aprendi algumas coisas que eu tento praticar hoje em dia:

1 – A barba é como seu cabelo. Portanto, ela precisa ser lavada sempre (higiene, gente!), senão a pele fica oleosa e começa a encher de espinhas. O shampoo pode ser o mesmo da cabeça (não sei se existem especiais para isso, se alguém souber, me diga), mas eu opto por um para cabelos oleosos, que ajuda a deixar a pele mais seca.

2 – Uma vez por semana eu hidrato com condicionador, senão parece que eu ostento um porco espinho no rosto. Passo só nas pontas, pra não pegar na pele.

3 – Enquanto ela cresce, os pelos não aumentam na mesma proporção. Portanto, tem que aparar, de preferência com uma tesoura, para não perder o volume.

4 – Quem nunca deixou a barba crescer vai estranhar no começo. Sim, dá coceira no rosto e tu te arrepende mortalmente em alguns momentos (até hoje eu passo por isso). Mas pense que no frio é mais tranquilo, porque a oleosidade da pele é menor.

5 – Nunca acreditei, mas realmente a barba é como uma maquiagem para os homens. Se tiver alguma imperfeição ou algo que tu queres esconder, basta deixar crescer. Não me imagino mais sem ela. Devo ficar com cara de criança.

A minha barba, assim como o meu cabelo, cresce muito. Portanto, nunca tive problemas com isso. Mas alguns homens sofrem pra ter volume. Não garanto nada, mas dizem que uma loção chamada Minoxidil ajuda no crescimento. Para saber mais, dá uma espiada aqui. Sugiro procurar um dermatologista antes, para ter segurança e até mesmo outras opções (dizem que até vitaminas ajudam, em muitos casos).

Uma verdade sobre o crescimento da barba é que ali pela segunda ou terceira semana você se arrepende de ter deixado ela crescer, porque é um meio termo entre o efeito ralo e o cheio. Mas logo passa. Continue aparando para ter um resultado bacana constantemente.

Ainda não fui em um barbeiro. Mas pretendo ir pelo menos uma vez por mês, para deixar ela em dia e depois apenas fazer a manutenção com a tesoura em casa. Ah, a etapa de aparar é importante, principalmente no bigode. Afinal, ninguém quer comer e ficar com resquícios de comida grudados nele, né?

Estas dicas são bem pessoais de como eu faço pra cuidar da minha barba. Não sou especialista, portanto, se alguém tiver mais sugestões, é só deixar por ai que eu acrescento no post, dando os créditos.

Costanza Pascolato bate-papo em Porto Alegre

IMG_1276Costanza Pascolato é considerada a papisa da moda brasileira. Seu currículo é invejável. Trabalhou por 17 anos no departamento de moda da editora Abril, tem uma vasta experiência na tecelagem de sua família, a Santa Costância, onde atualmente é consultora, tem dois livros publicados e uma coluna fixa na revista Vogue, além de um sucesso enorme na internet. É até estranho vê-la pessoalmente. Uma pessoa tão importante para a moda brasileira, com uma aparência tão frágil (sim, gente, ela é pequena), porém, sempre elegante.

Ontem Costanza esteve em Porto Alegre, numa ação da loja Spezzato, batendo um papo com o público, falando sobre moda, estilo e contando um pouco de sua história. Um dos primeiros comentários foi sobre os blogs de moda. Para ela, os blogueiros são uma necessidade em tempos de internet. No começo de sua carreira, nos anos 70, percebia tudo de uma maneira diferente. A comunicação era mais vertical, focando muito na opinião do editor. Com o tempo o mercado foi se abrindo e a chegada da internet tornou tudo mais acessível e os bloggers fazem parte da cultura jovem e de uma nova moda.

O web programa Costanza e Marilu, que faz ao lado da artista plástica Marilu Beer, já chegou a sua segunda temporada e foi exibido na TV à cabo, surgiu da longa amizade que as duas mantêm há anos. “Decidimos parar de reclamar no sofá de casa e fomos para a frente das câmeras.” O projeto deu certo, segundo ela, principalmente pelos esforços da equipe, que torna tudo mais interessante.

IMG_1172Uma de suas frases mais replicadas, principalmente nas redes sociais, “O que você tem, todo mundo pode ter, mas o que você é, ninguém pode ser“, foi explicada como um momento de mau humor. Surgiu quando entrou no mercado de trabalho, obrigada pelo pai, que chegou a deserdá-la. Foi trabalhar na Editora Abril e um de seus colegas se disse contra Costanza trabalhar na redação, pois tirava o “pão” deles. Foi então que falou: “Aquilo que vocês sabem eu vou aprender. O que eu sei, vocês jamais aprenderão.” Ao longo do tempo a frase foi sendo replicada e mudada, até chegar a versão mais conhecida atualmente.

Sempre se considerou uma rica-pobre, porque aprendeu desde cedo a se virar e se sustentar. É apaixonada por estudar história para aprender a amplitude do mundo. Acha essencial a pessoa olhar para além de seu país, para aprender como outros povos lidam com as mesmas situações. Inclusive, fez um comentário sobre a crise que atualmente se instaurou no Brasil: “Todo período de crise dá a chance de descobrir novas oportunidades. Sempre foi assim.” Para ela, todo mundo que é bacana e dinâmico hoje, está se mexendo para mudar de situação.

IMG_1168Sobre estilo, diz que muitas mulheres têm uma personalidade definida, mas se vestem como outra. Não acha errado, desde que ela segure o look. Não acredita na definição das pessoas pela sua idade. Prova disso que é no trabalho como consultora da tecelagem, convive com muitos jovens e costuma primeiro ouvir o que eles têm a dizer para depois opinar. “Uma das grandes evoluções da nossa época é a longevidade.”

Conta que quando sua mãe morreu, há cinco anos, passou a não achar necessário ir para o trabalho na tecelagem todos os dias e virou consultora. Hoje vai quando é chamada. “É muito mais útil eu ir quando necessitam de mim, ao invés de estar lá todos os dias, de mau humor, sem ajudar em nada.” E ainda dá um ensinamento que serve para todos levarem para a vida: “Na moda e na vida, vão de coração.”