Conheça a Verssa

Estou há tempos querendo escrever este post, mas acabo sempre deixando mais para a frente. Como queria falar dele no verão, agora é o momento perfeito. Para quem ainda não conhece, eu apresento a Verssa, uma marca de calçados sustentáveis que tem modelos de tênis e alpargatas incríveis e com preços muito bacanas. Daí tu pensa: “Uau, uma marca com essa proposta deve ser de algum super centro, tipo São Paulo”, e te surpreende quando descobre que é uma empresa aqui de Lajeado, que usa matéria-prima produzida no Rio Grande do Sul, e está fazendo um barulho bem bacana nesse segmento, ampliando cada vez mais os pontos de venda.

Verssa 3]Mas o que faz de uma marca de calçados ser sustentável? São os materiais utilizados na produção. As solas das alpargatas e tênis da Verssa são de borracha reciclada. Não bastasse isso, muitos tecidos e couros usados para deixar a aparência bonitinha, passam pelo mesmo processo de reaproveitamento. Não bastasse isso, a Verssa super se preocupa com o social. Ano passado realizaram, em outubro, o Skate no Asilo, um campeonato de skate dentro de um asilo, onde os próprios idosos eram os jurados do campeonato. E a ideia é seguir com esse tipo de iniciativa.

Verssa 1Eu conheço a Verssa tri de perto. Fiz uma matéria pro Mais Atual em dezembro de 2013, logo que ela foi lançada, e continuei acompanhando o crescimento e a popularidade que foi tomando com o decorrer do tempo. Além disso sou cliente da marca desde o começo. Comecei adquirindo dois modelos básicos (um preto e um azul marinho), e ganhei o modelo tropical (na foto acima, o último, bem em cima da logo).

Verssa 2De modelos básicos, com no máximo uma estampa xadrez, a Verssa cresceu pra vários modelos, e até uma linha paralela, a Verssa Glam, que tem calçados mais glamourosos (o próprio nome diz, né?), que podem ser usados até mesmo em festas, por aquelas meninas que não querem abrir mão do conforto pra ficarem bem arrumadas.

Neste post falei mais das alpargatas, mas a linha ainda inclui tênis (um dos modelos tem a opção de usar normal ou como botinha, só aplicando o cano – acho o máximo), e sapatilhas. Ainda não comprei um sneaker da marca, mas estou pensando em investir em um para a minha viagem, afinal, um calçado bonito, versátil e confortável é tudo o que vou precisar. Se comprar, depois faço a avaliação aqui pra todo mundo ver.

Quem quiser saber mais da Verssa pode ir pro Facebook deles, ou pro site. Ah, eles estão em Capão da Canoa com uma loja temporária durante o verão.

Musique: sons em francês

Musique FrancePode ser a proximidade da minha viagem (chega logo, 23 de fevereiro!), ou minha eterna vontade de ser fluente nesta língua, mas nas últimas semanas os sons em francês têm estado direto em minhas playlists. Quem me conhece sabe que tenho duas paixões no quesito cidades: Buenos Aires e Paris.

Acredito que não viveria em Paris. É uma cidade cara e, por ser muito turística, não existe alta ou baixa temporada, o que faz o custo de vida ser alto sempre. Não sei se no post de sons latinos eu falei isso, mas um dia ainda pretendo viver em Buenos Aires, que tem muito da França no quesito arquitetura e cultura.

Mas voltando ao tema do post (foco, Douglas, foco), não escolhi apenas músicas francesas, até porque um dos cantores é da Bélgica, mas sim os sons cantados em franc~es. Vocês vão ver que Joyce Jonathan aparece duas vezes, porque gostei muito das músicas dela, numa pegada mais “cute”. Tem também Brigitte Bardot, um clássico que curto bastante. E, por fim, Temé Tan & Noza, que fazem até uma pegada africana no ritmo. Preferi escolher a maioria de nomes jovens, que estão acontecendo agora, não que eu não ame Piaf e nomes mais antigos, mas quis trazer algo mais fresh.

Joyce Jonathan – Je Ne Seis Pas

Brigitte Bardot – Moi Je Joue

Temé Tan & Noza – Améthys

Joyce Jonathan – Ça ira

10 X Kate Moss

10 x Kate MossE ela, uma das modelos mais bonitas, poderosas e polêmicas, está de aniversário. Kate Moss completa neste dia 16, 41 anos. E a idade não atrapalha em nada, porque ela continua nos presenteando com trabalhos maravilhosos, linhas de roupa que levam sua assinatura e vários ensaios sem roupa (é pra quem pode). Fiz o 10 X de hoje especial sobre ela, fugindo do formato tradicional pra mostrar as fotos grandes, porque o assunto merece. Alerta, este post é enorme.

Kate Moss 11 – Kate é cool por natureza. Uma t-shirt e um jeans já deixam ela com aparência de super produção.

Kate Moss 22 – Entre os seus partners de ensaios, já trabalhou com David Bowie. É muito amor envolvido.

Kate Moss 33 – Já amou (e muito), o Johnny Depp. E quem não amaria?

Kate Moss 44 – Começou a trabalhar novinha (sim, a foto não está das melhores, mas não poderia deixar de publicar ela, bêjo!).

Kate Moss 55 – Agora trabalha com as novinha.

Kate Moss 76 – Mas já trabalhou com a maioria das tops.

Kate Moss 67 – Teve a sua fase vida loka e é conhecida até hoje por isso.

Kate Moss 88 – Fez mais capas da Vogue do que muita pseudo top vai fazer na vida inteira.

Kate Moss 99 – Saiu pelada na Playboy aos 40 anos e arrasou (não que ninguém nunca tenha visto ela nua, né?).

Kate Moss 1010 – Casou com um vestido lindo desenhado pelo John Galliano, não abandonando o amigo mesmo depois de toda a crise que ele enfrentou.

Hora do jogging

IMG_2615Jogging é aquela corrida lenta, em ritmo de marcha, em que não se compete, apenas aproveita o momento, sabe? Algo entre a corrida e a caminhada. A calça jogging foi, obviamente, criada para a prática do esporte. Produzida em moletom, tem a modelagem larga, fundilho baixo e uma ribana na região da canela, para manter a calça firme, foi pensada para o conforto dos praticantes. Mas a moda, essa linda, resolveu adotar o modelo e chamar de seu, transformando ele numa febre no Hemisfério Norte novamente (sim, ela esteve super em alta nos anos 80, mas mais para as mulheres).

IMG_2608Lembro que, quando estive na Itália em abril, reparei que muitos homens usavam esse estilo de calça. Achei estranho e, mesmo provando uma na Zara, decidi não comprar. Pensava que essa moda jamais chegaria por aqui e, decidi deixar a peça na arara. Engano meu. Esta semana, em uma passada na Renner, avisto uma calça jogging em moletom cinza mescla em uma das araras.

Novamente provei na esperança de chegar a uma conclusão. Não cheguei a nenhuma. Mas a bendita calça não saía da minha cabeça e decidi voltar outro dia e comprar. Neste exato momento estou vestindo ela e posso dizer, com toda a propriedade que não quero mais vestir outra coisa senão minha jogging.

IMG_2606Mas e ai, como se usa?

A jogging é uma peça que veio com a tendência esportiva. Portanto, um dos jeitos mais práticos de combiná-la é com roupas do mesmo estilo. Moletons, casacos de marcas como Nike e Adidas, camisetões, e nos pés, tênis esportivos.

Outra maneira, e a minha preferida, é com peças de estilo completamente oposto. Com camisas e blazeres, casacos de lã, mocassins e sapatos sociais. Gosto do contraste do estilo, que tira um pouco a ideia de se tratar de uma peça esportiva ou de que você saiu da academia e foi cumprir seus compromissos.

Além da maneira tradicional, outro jeito de usar a calça jogging é puxando a barra pra cima, deixando próxima da canela. É super moderno e permite que a peça seja usada sem desconforto mesmo no verão. Ah, e vale lembrar que, embora a origem da calça seja de moletom, as marcas estão produzindo elas em diversos materiais, inclusive jeans. Então, não se impressione se cruzar por uma dessas nas araras.

Vídeo: meus livros de moda favoritos

Literatura de modaA previsão era que este vídeo entrasse semana passada. Mas como já contei, tive um imprevisto no computador e não consegui. Mas hoje, finalmente, vai. Fiz uma seleção de alguns livros de moda que tenho, que peguei emprestado e que desejo comprar, todos ligados à moda. Literatura é algo básico para quem deseja trabalhar com moda. Um complemento a qualquer estudo, seja na área que for.

Depois do vídeo comprei mais alguns e morri de vontade de acrescentar. Mas vamos ficar só nesses, que já está mais do que bom, né? Hahaha…

Testando: delivery online Minato Mirai

Tag nova no blog. Agora vou me meter a palpiteiro nos serviços e novidades de onde eu estiver e testar, dando a minha opinião super sincera (o lado bom de ter poucos leitores é não ter rabo preso com ninguém e poder falar o que penso). Pra estreia eu decidi falar sobre um serviço que testei na sexta-feira. Se trata do Minato Mirai Delivery. Caso alguém de fora pare aqui por acaso, eu explico: Minato Mirai é um restaurante japonês de Lajeado. Eles fazem muito sucesso, porque foram os primeiros da cidade e porque o sushi deles é realmente bom. Há um tempo atrás criaram a opção delivery, de tanto que as pessoas encomendavam por telefone e buscavam no local.

Nunca havia pedido nada pelo delivery de lá. Uma vez acessei o site, me cadastrei, fui avisado que receberia um e-mail de confirmação, mas ele não chegou até hoje. Com isso, desisti. Sexta-feira fiquei com vontade de comer um temaki e decidi pedir pelo telefone. Acessei o site (minatomiraidelivery.com.br) e comecei a olhar os pratos. Foi quando vi que eles têm uma loja online, ou seja, sequer é necessário telefonar para fazer o pedido. Decidi arriscar. O máximo que iria acontecer era a comida não chegar e eu ficar com desejo.

Usei o e-mail e senha que cadastrei da outra vez e, misteriosamente, funcionou (para a nossa alegria!). Pedi um temaki camarão Filadélfia e um uramaki shake fried cheese.  O pedido deu no total R$ 49,80, deste valor R$ 6 eram da entrega. O tempo estimado era de 40 minutos. Já haviam reclamado pra mim que demoravam a entregar, por isso, me preparei para pelo menos uma hora de espera. Para a minha surpresa, ao completar os minutos prometidos, o motoboy estacionou a moto na frente da minha casa e entregou o pedido.

Minato Delivery 1Estava chovendo, por isso as marcas de gota. Ele chega assim, super bem embalado em um saco de papel grosso. Isso já me agradou, porque considero comida japonesa muito frágil.

Minato Delivery 2É tudo muito bem embalado. No pacote vem o pedido, os hashis e uns 4 pacotinhos de molho shoyu (não sei se são 4 pra todos ou porque eu pedi dois pratos). A comida chega bem quente (no caso do uramaki).

Minato Delivery 3E esse é o prato aberto. Tirando o queijo que, naturalmente escorreu (duvido conseguir deixar ele perfeitinho num delivery), o restante estava todo perfeito. O que mais gostei é que todos os condimentos (shoyu, raiz forte e gengibre), acompanham, como se tu estivesses comendo no restaurante. O camarão estava super fresco e o temaki muito bem preparado.

No fim das contas, fiquei satisfeito com o Minato Mirai Delivery. Talvez, se meu cadastro tivesse sido completo logo que me cadastrei, já teria pedido mais vezes. E, felizmente, o pedido online funciona e é muito eficiente. Ah, o motoboy (que eu sempre morro de medo que seja alguém mau humorado), era simpático, mesmo estando abaixo de chuva. Vale o pedido.

De calças curtas

Cropped pantsCalma, calma, calma. Este não é nem um post de fofoca sobre alguém que foi pego de calças curtas. É só pra falar sobre a tendência das cropped pants para os homens. Comecei a perceber ela em março, quando viajei pra Europa. Tanto na Itália quanto na França os caras usavam muito comprimentos batendo acima dos sapatos, deixando ou um pedaço das pernas ou a meia à mostra.

Comecei a usar timidamente, ainda durante a viagem, dobrando um pouco a barra da calça. Mas bem pouco menos. Comprei algumas meias estilizadas com desenhos antes mesmo de ir e passei a entender o significado delas além de eu mesmo saber. Quando voltei ao brasil o comprimento encurtou mais um pouco. E foi indo, até chegar mais ou menos neste hoje em dia:

calças curtas“As cropped pants encurtam a silhueta?”

Esta dúvida que atormenta tanto o universo feminino cabe aos homens também. Pela regra “normal”, eu diria que sim, encurta. Mas existem muitas variáveis nessa questão. Primeiro, se o cara tiver as pernas mais longas que o tronco, não há problema nenhum em usar a calça mais curta. Quem tem elas mais curtas, pode adotar alguns truques. O primeiro que eu indicaria é usar uma calça com pouco contraste de cor com a pele. Claro que isso é quase impossível de se ter como regra, sendo que as vezes queremos optar por um jeans. Outra alternativa, esta mais prática, é usar um calçado que dê este mesmo efeito. Por exemplo, um mocassim nude, que vai ficar mais ou menos no mesmo tom.

Calças curtas 2“Como combinar as cropped pants?”

Mais uma vez, não existe regra. Usar uma calça curta é mais um truque de styling do que qualquer outra coisa. Mas quer acertar? Aposte em calçados como tênis de couro modelo casual, com ou sem meia, mocassins e alpargatas. É uma pegada mais litorânea? Pode ir de chinelo (tanto de couro quanto Havaianas) ou birkin, sem problemas. Na parte de cima vai tanto de camisas até camisetas, podendo ser combinado com blazeres e blusões. Não tem limitações. Vai do gosto e estilo de cada um.