Ter menos, ser mais

MinimalismoCerto dia uma amiga muito próxima contou que mudaria de vida. Deixou um emprego onde ganhava bem e era reconhecida por sua competência para morar no interior, trabalhar com o que realmente acredita, plantando praticamente tudo o que come e viver com menos, bem menos. Naquele momento a ideia me causou estranhamento. Como alguém poderia abdicar de uma carreira e se isolar no interior por decisão própria? Não demorou e minha ficha caiu.

Não era o salário ou a carreira bem sucedida que moviam ela. Mas sim sua felicidade. Acordar e ver a natureza, colocar a primeira roupa que encontra no armário sem se preocupar com o que os outros pensarão de seu look do dia, cuidar de sua horta e fazer sua Yoga são o necessário a seu ver. Ao pararmos para refletir sobre nossos sonhos, geralmente vamos direto ao ponto material: uma bela casa, um carro do ano, um salário gordo, os chefes aos seus pés, ou você como chefe de alguém, viagens luxuosas. Mas eu lhes peço: e daí?

Como disse há uns posts atrás, vivemos numa cultura onde ser workaholic é bonito. Só nos sentimos satisfeitos ao conquistar o material. E muitas vezes não percebemos que a felicidade pode estar em elementos muito mais simples do que imaginamos. É errado querer grana, casa, carro? Não, é apenas uma escolha. Uma escolha sofrida, convenhamos.

Não sei dirigir, nem pretendo aprender. Jamais deixaria de fazer uma viagem (onde ando a pé em boa parte dela), para comprar um carro. Aos poucos me desapego de outros conceitos materialista e começo a me preocupar com o que realmente importa. 2015 será o ano onde trabalharei nisso, de criar consciência de que o material fica aqui quando morremos. Meu ideal será olhar mais para dentro e encontrar a resposta que substitui a roupa que compro no dia de baixo astral, ou os óculos que me dou por ter trabalhado algumas horas extras.

Será que a recompensa de um trabalho árduo não é eu ter um tempo administrado para eu mesmo? Ou então, passar um fim de semana inteiro em casa, assistindo um filme que amo, ao lado da minha família? Quem sabe trabalhar mais arduamente ainda, para me presentear com uma viagem que sonho há tempos? Fato é que, no mundo moderno, temos cada vez menos tempo de dedicarmos este tempo para analisarmos a nós mesmos. Devemos ser o foco de nossa vida e ponto final.

Não tem chefe, salário ou emprego mais importante do que um sorriso no rosto. Com a teconlogia, é comum levarmos trabalho para casa. Fazemos isso com naturalidade. Responder um e-mail profissional que “só vai ocupar um minutinho”, é a mesma coisa que estar no escritório trabalhando e quebrando a cabeça buscando soluções.

Alguns defendem o detox da tecnologia. Deixar o smartphone, essa maquininha que controla nossos dias, por alguns dias de lado é uma das bandeiras levantadas. Não tão radical, um pessoal defende que façamos essa desintoxicação no dia a dia. Jantar sem olhar o celular, assistir um filme inteiro sem conferir o Whatsapp, deixar para responder depois do banho aquela mensagem nem tão importante no Facebook.

Até mesmo aplicativos são inventados para auxiliar nesta missão. O Menthal, por exemplo, calcula o tempo total de uso do smartphone durante o dia. Ele dá o resultado apontando onde a pessoa gastou mais seu tempo e cabe a ela ponderar se o tempo está sendo bem gasto ou não e rever (ou não ) a maneira de administrá-lo.

Outro (desse eu faço uso), é o Headspace. O app dá lições curtas de Yoga para fazer durante o dia. São sessões de até 10 minutos, que a pessoa aplica a hora que quiser. A ideia é ter uma evolução. Por isso, ele diz quanto tempo foi dedicado por dia e aos poucos avançando de nível. A ideia é ótima, pois ele ensina desde como lidar com problemas rotineiros com mais tranquilidade até dá aulas para aprender a analisar situações calmamente.

Afinal, com tanta gente tomando o mesmo rumo da minha amiga e optando por uma vida mais minimalista, não é possível que não comecemos a achar que ter menos e ser mais é o caminho para o futuro.

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s