Anne With an E é puro amor

Algumas séries te prendem pelo enredo, outras por algum suspense, e tem aquelas que te agarram pelo coração. Foi assim com Gilmore Girls, que me arrebatou por sete temporadas e um especial. É dessa forma com Grace & Frankie, que me faz maratonar a cada nova temporada. E o mesmo aconteceu com Anne With an E, que eu (erroneamente) subestimei.

Essa já é a terceira versão para telas da história Anne of Green Gabels, da autora Lucy Maud Montgomery. A produção atual foi feita pela Netflix, com direção de Niki Karo estrelada pela linda Amybeth McNulty, e conta a história de uma órfã que depois de 13 anos passando de casa em casa, onde era tratada como empregada, vai parar por engano na casa dos irmãos Marilla e Matthew Cuthbert.

Anne with an e 1

Embora tudo comece com um engano (eles esperavam por um menino que pudesse ajudar nos afazeres da fazenda), a relação logo passa a ser de amor. Anne encontra em Marilla e Matthew os pais que nunca teve, e eles a companheira para o resto de suas vidas. Não pense que por se tratar de uma criança com um passado duro, a personagem é frágil. Muito pelo contrário. Após sair da casa de uma família onde era agredida e ajudou a criar gêmeos por duas vezes, e ter passagens tensas por um orfanato, a protagonista é forte, inteligente e capaz de se defender.

Mesmo todas as dificuldades não criaram uma casca capaz de deixar de lado os sonhos e desejos de uma menina, que ao longo dos episódios precisa lidar com julgamentos (tanto dos outros quanto dela própria, que se sente feia por ser ruiva e magra demais – quem nunca?), preconceito por ser uma órfã, a primeira menstruação e todos seus efeitos, a primeira paixão e a busca por um crescimento que a permita ser uma mulher inteligente, forte e independente (o que aprende não ser necessariamente algo que a afastará do amor).

Anne with an e 2

Tudo é construído com uma visão lúdica, vinda da própria Anne. Como uma criança com uma maturidade incomum lida com fatos tão duros da vida dos adultos e ao mesmo tempo enfrenta os desafios da vida de criança?

Muitos estão chamando Anne With an E de uma série empoderadora feminina, o que realmente é (já no primeiro capítulo ela deixa claro: “Meninas podem fazer tudo o que meninos fazem e muito mais.”), mas eu acredito que seja algo além, que vale tanto para mulheres quanto para homens. Ela nos ensina a não desistir, afinal, ver uma menina com 13 anos que carrega uma carga negativa de vida, mas consegue sempre enxergar o brilho das coisas. Mesmo se tratando de uma ficção nos dá um tapa de luva na cara para quando pensamos em saltar do barco por pouco.

Anne with an e 3

Anne deseja o que muitos de nós desejamos: amor, aceitação e felicidade. Acredita na independência e em sua capacidade de fazer o que bem entender (pense na dificuldade de uma menina sustentar esse pensamento em 1900, quando elas eram ensinadas que seu destino era casar com um bom homem e cuidar da casa), e nunca deixar de lado seus sonhos.

Em um episódio marcante diz para uma nova amiga: “Eu desejo ser muito boa em algo extraordinário!” Um desejo para a vida de todos. Não espere para se apaixonar pelo mundo de empatia e amor de Anne. Deixe-se envolver e aprender, assim como ela a viver uma vida sem arrependimentos.

Disponível na Netflix.

Sejamos mais por nós mesmos

Depois de meses de espera na fila por uma terapeuta, eis que ela me chama no Whatsapp e pergunta se ainda tenho interesse. Penso em negar, afinal, estava me tratando com outra profissional e vendo os efeitos. Mas depois de muito ter ouvido falar bem dela, a curiosidade era enorme. “Não custa tentar”, me convenci. No dia seguinte estava à espera da primeira consulta, num nervosismo como se nunca tivesse passado por essa situação antes.

O papo fluiu. Sentia a sensibilidade dela e falávamos sobre a minha vida. Após muita emoção, ela me questiona: “tu gostas de ti mesmo?” O baque foi grande, e instantaneamente disse que sim. Mas péra ai, não é bem assim! Logo após emendei: algumas vezes sinto necessidade de mudanças para gostar de mim. Seria isso uma maneira de não gostar?

IMG_2770

Oras, que tolice! Não é porque as vezes quero perder uns quilos, que hora ou outra bate a vontade de cortar o cabelo ou mudar seja lá o que for, que eu não gosto de mim mesmo, não é mesmo? Mas não é assim que a banda toca – infelizmente.

Crescemos em meio a pressões. Desde a infância, nossos pais projetam o que querem que sejamos no futuro. Nunca fui o filho médico que a minha mãe desejou – e não me arrependo nada disso. Quando chegamos na adolescência passamos a nos adaptar para sermos aceitos pelos amigos, que no momento parecem ser as pessoas mais interessantes do mundo, mas que o tempo mostra que estávamos enganados. E seguimos assim pelo resto da vida, tendo dificuldade de reconhecer qual é a nossa vontade de mudar e qual é a pressão dos outros.

Agradar o chefe, a família, o mozão, os amigos, os vizinhos… Parece que todo o tempo precisamos provar para alguém que somos o que esperam de nós. E tem loucura maior que essa? Quando vai ser a hora que criaremos coragem e diremos: eu não sou como você espera. Eu sou eu, nem melhor nem pior. Lide com isso!

Ah, se fosse tão simples, não é mesmo? Estamos o tempo todo tentando provar ao outro que somos da maneira que ele deseja, para quem sabe um dia ele nos aceitar da maneira que somos. Com isso, quem se aceita como é, é taxado de egocêntrico.

Não há problema algum em nos gostarmos da forma que somos!

E esse “gostar” é o suficiente para acordarmos felizes, nos olharmos no espelho buscando qualidades ao invés de defeitos, sabermos do nosso valor e que somos livres. É uma busca pela consciência de quem nós realmente somos, independentes de padrões e selos da sociedade. A não ser que você faça algo de extraordinário, dificilmente vai receber uma menção honrosa por ser quem é. Então, dê ela a si mesmo!

Com certeza existirão pessoas dizendo que você precisa mudar. Não mude por eles. Mude se você sentir que deseja isso. Viva a sua vida, independente de seja lá quem for, estiver falando seja lá o que sobre você.

Otimize seu armário: t-shirt branca

Dentro da proposta de blog que estou tentando fazer, acredito que algumas categorias novas se encaixam. É o caso do “Otimize seu armário”, que servirá como um mural de inspirações, com diversas peças que muita gente tem mas que cai na mesmice. Não são regras, não é o tal do “tem que ter”, mas sim sugestões de darmos vida nova a peças já presentes no armário.

A camiseta branca será a primeira peça eleita. Por que? Porque muita gente tem. E por ser uma peça básica, ao invés de deixar a imaginação fluir, a maioria usa sempre da mesma forma. O primeiro parceiro (e óbvio) da camiseta branca, é o jeans. É dele que vamos fugir por aqui!

Selecionei 5 inspirações super bacanas para tirar a sua t-shirt branca do lugar comum e fazer looks modernos e arrojados, sem muito esforço e fazer valer ainda mais o que você já tem. Vamos lá?

Camiseta branca 1

Faça a linha básica e esportiva. Uma calça relax (a de abrigo tende a ficar muito legal) e um tênis podem ser ótimos parceiros para sua t-shirt branca. É aquele look pra um passeio no fim de semana. Ah, e não se limite aos básicos na parte de baixo. Existem opções com cores fortes e estampas lindas, que farão toda a diferença.

Camiseta branca 2

E se a ideia for combinar com saia? Fica mais legal ainda se for uma camiseta larguinha, daquelas com cara de “peguei do armário do boy”. Nos pés, um sapato com pegada masculina combina com a pegada masculina e dá um super arremate.

Camiseta branca 3

Camiseta é despojada demais pro escritório, né? Deixa disso! Se combinada com um blazer e uma calça mais arrumada (que pode ser alfaiataria, sarja ou até um jeans bem cortado), ela fica super elegante e pode ser seu look moderno e casual de trabalho.

Camiseta branca 4

Usar vestido de alcinha durante o dia virou moda. Mas não é usado sozinho, não. Pra modernizar o visual, sobrepô-lo com uma t-shirt branca virou tendência. O resultado é fofo e moderno.

Camiseta branca 5

A alfaiataria perde a cara séria e formal se combinada com a t-shirt branca. Mais uma opção para levar essa peça pro escritório, principalmente nos dias casuais.

Vá além…

Quer saber dois truques de styling super práticos pra tirar sua camiseta branca do básico? A gente te dá!

Camiseta branca 6

Dê um nó na barra. Ela fica cropped e o truque fica lindão em looks informais. Ah, esse efeito fica lindo com saias de cintura alta e shorts, dando também aquela carinha noturna pro look.

Camiseta branca 7

Dobre a manga… Isso fica bacana principalmente quando a camiseta for maior, como os modelos masculinos.

Agora ninguém mais tem desculpa pra usar a t-shirt branca sempre da mesma maneira, nem pra achar ela básica demais, né?

Dica de documentário: Minimalism

O que é uma pessoa bem sucedida para você? Provavelmente você respondeu: alguém com um bom emprego, recebendo um bom salário e dono uma casa grande, um carro do ano (de preferência importado) e um padrão de vida classe A.

Se essa foi sua resposta, está na hora de assistir o documentário Minimalism – A documentary about the important things (Minimalismo – Um documentário sobre as coisas que importam).

Minimalism 1

O doc gira em torno da dupla Joshua Fields Millburn e Ryan Nicodemus, conhecidos pelo seu projeto The Minimalists, que através de seu website, livros, redes sociais e podcasts já influenciaram mais de 20 milhões de pessoas ao redor do mundo a repensarem o consumo.

A história de ambos é de superação. O verdadeiro sonho americano. Os amigos tiveram infâncias difíceis, mas deram a volta por cima e se tornaram bem sucedidos (no senso comum da palavra). E quanto mais dinheiro ganhavam, mas acumulavam coisas. Até perceberem que ter muitos objetos não era tão essencial assim. E desapegaram.

Cada vez mais perceberam que viver com menos não é tão difícil assim. E que quanto mais temos, mais sentimos necessidade de acumular. Se deram conta de que ir contra o sistema de “comprar – usar – enjoar – comprar” era possível. E tornaram isso seu estilo de vida.

Ter uma casa grande é o sonho da maioria da população. Mas e de que adianta ter uma e não usar a maioria dos cômodos? Uma residência menor pode acomodar o mesmo número de pessoas, contanto que elas acumulem menos. Dessa forma, reduzimos tanto o impacto ao ambiente, quanto os gastos.

Alguns casos apresentados chamam muita atenção no documentário. E vou comentar dois deles por aqui.

Minimalism 2

Colin Wright trabalhava na indústria musical de Los Angeles e sonhava conhecer o mundo. Mas percebeu que nunca tinha saído dos Estados Unidos. Sua rotina era trabalhar para acumular bens. Até o dia que decidiu mudar de vida.

Eliminou seus objetos até caberem em duas malas de mãos, e conforme se desfazia dos itens, via que eles não eram necessários como pensava (ou foi levado a pensar). Criou um blog, começou a viajar e hoje não tem residência fixa. Aluga apartamentos e quartos ao redor do mundo, realizando seu sonho de ser um “full time traveler”.

No começo deixou alguns objetos para trás, que não tardou em se livrar, porque não sentiu falta, ou os imaginou sendo úteis em algum momento de sua nova vida. Hoje pensa que muitas pessoas bem sucedidas têm dinheiro, mas não felicidade.

Minimalism 3

Uma das indústrias mais afetadas pelo consumismo foi a moda. Se antigamente eram trabalhadas duas coleções por ano, hoje as redes de fast fashion chegam a 52. Isso não só faz as pessoas gastarem mais, como gera um lixo imenso para o mundo. Algumas grandes marcas chegam a rasgar as roupas depois de uma semana na arara, para as pessoas não comprarem por valores menores, ou alguém encontrar no lixo e vestir.

Em 2010 Courtney Carver decidiu fazer um detox em sua vida e viu que o cômodo de sua casa onde mais acumulava coisas era o closet. Começou a mudança por ai e criou o Projeto 333.

O desafio era vestir apenas 33 itens (incluso roupas, acessórios e calçados), durante 3 meses. Ao fim dos 90 dias, viu que as peças paradas não faziam falta. E reduziu seu guarda-roupas ao máximo. A ideia foi muito difundida e até hoje replicada e compartilhada.

O mais assustador para Courtney foi ver que as pessoas não percebiam que seu guarda-roupas era limitado e, portanto, ter muitos itens era desnecessário.

Todo o documentário é muito bem construído, mas os fatores que mais ficam claros são a coletividade, uma necessidade cada vez maior na sociedade atual, e a consciência – devemos amar pessoas e usar coisas, e não o contrário – essenciais para impactar a sociedade e se criar um novo propósito.

4 passos para fazer as roupas durarem

Sim, é super possível fazer suas roupas durarem. Pode não ser a missão mais fácil do mundo, mas é necessária. Isso envolve atenção desde a hora da compra, passando pela lavagem/conservação, até quando algo dá errado e a peça estraga.

São passos simples, que muitas vezes não nos atentamos, mas somos capazes de fazer acontecer. Vamos a eles?

Conservação 1

Já falei sobre isso por aqui, mas é sempre útil relembrar: na hora de comprar uma roupa, não basta acharmos ela linda “por fora”, naquilo que todos verão. É importante que ela tenha um tecido de qualidade e as costuras impecáveis. Uma peça bem construída tende a durar muito mais tempo. Portanto, quando for para o provador, coloque ela do avesso.

Uma curiosidade: hoje em dia é regra vermos as costuras “rentes”. Mas vocês sabiam que antigamente, no tempo das nossas vovós, quando tudo era mais pessoal, era deixada uma sobra de tecido? Era uma segurança para caso ajustes fossem necessários, se a pessoa engordasse ou se os pontos abrissem. Poucas marcas mantém isso atualmente, porque acreditam ser um desperdício de tecido.

Conservação 2

Quando ouvimos falar em água quente, achamos tudo mais seguro, né? Mas sabia que ela pode estragar a sua roupa? Muitos tecidos, como a malha, encolhem com a água em altas temperaturas.

Em outros casos, principalmente em peças de baixa qualidade, o tecido é esticado na fábrica, para render mais, e com certeza encolherá com a temperatura elevada.

Conservação 3

Pela mesma razão, devemos evitar o uso da secadora. As roupas encolhem, principalmente as que têm algum fio sintético na composição (como o elastano do jeans). Em alguns casos elas voltam ao normal, em outros, não. Leia a etiqueta e confira as indicações do fabricante. Mas para não ter erro, opte sempre pelo tradicional varal.

Conservação 4

Rasgou, furou, estragou, descoloriu? Muitas vezes jogamos peças fora sem necessidade. Na maioria dos casos, reparos pequenos, feitos por costureiros, alfaiates e tintureiros, transformam aquela peça que pensamos em dar adeus, numa novinha.

Fala sério! São passos super simples, que se seguirmos no dia a dia, faremos as roupas durarem, diminuiremos o lixo gerado e faremos nosso dinheiro render mais.

Conheça e desenvolva seu estilo

estilo-1

Sim, seu estilo é sua identidade. Sabe aquele papo de que com a roupa passamos uma mensagem para o mundo? É a mais pura verdade. Através do que vestimos demonstramos quem somos, o que gostamos, a qual “tribo” pertencemos. E isso muda com o tempo, não se preocupe.

Começamos a desenvolver o estilo pessoal na adolescência, quando queremos nos vestir para pertencer a um grupo. A partir dai, vamos somando as necessidades com inspirações visuais e nossa vivência. Pode ter certeza que algo do que mamãe te fazia vestir na infância, vai continuar fazendo parte do seu visual depois de adulto.

Dou pouca bola para as definições de livros. Romântico, básico, sensual… Acredito cada vez menos que uma pessoa possa ser definida dessa forma, mas sim que nosso estilo é uma soma de tudo que passamos na vida. E é pra isso que fiz esse post. Pra ajudar quem não está se encontrando em meio a tantas definições vagas.

Vamos começar pelo mais básico: as referências.

estilo-2

Lá na adolescência, quando começamos a desenvolver nossa própria personalidade, as afinidades vêm por assuntos em comum. É o grupo que curte a mesma banda, que frequenta os mesmos lugares, pratica o mesmo esporte, lê o mesmo estilo de livros… E desde lá vamos acumulando referências que colaboram para nossa bagagem visual.

E geralmente é ai que surge a raiz do nosso estilo pessoal. Vamos “lapidar” o visual com o tempo, mas se você passou a adolescência toda usando preto, pode ter certeza que isso vai te acompanhar por muito tempo.

Antes disso, temos as referências familiares. Quem não lembra das roupas da mãe, do pai, dos avós, das amigas da mãe? E isso se torna uma herança visual pouco valorizada na juventude, mas que quanto mais o tempo passa, mais utilizamos.

Nesse passo da definição do estilo pessoal, o ponto é: crie um painel de inspirações visuais. Seja no celular, numa página de caderno, num cartaz… Junte imagens de pessoas que você considera bem vestidas, de estilos e peças de roupa que te agradam, de famosos que você acha estilosos. Essa soma vai dizer muito sobre quem você é e o que você realmente gosta.

Mas nessa etapa, seja 100% sincero consigo mesmo.

Crie painéis no Pinterest. Veja pessoas com peças semelhantes às que você tem. Fotos de street style com roupas usadas de maneira que você acha legal. E até mesmo aquilo que está distante da sua realidade, mas que por algum motivo te agrada.

estilo-3

Essa pergunta é determinante para definir seu estilo. Por exemplo, de nada adianta uma pessoa caseira ter a maior parte do armário com roupas de festa e pouco se importar com o que veste em casa.

Preste atenção na sua rotina. O horário que sai pro trabalho – se é que sai, e não faz home office – e quando volta. Qual seu ambiente profissional? Costuma emendar eventos e happy hours? Vai a muitas festas? Enfim, a vida que você realmente tem, e não a que deseja.

Esse passo é essencial por dois motivos:

Primeiro, você será capaz de pensar o look com antecedência, tornando sua rotina mais prática na hora de vestir. Por exemplo, se for passar o dia trabalhando e à noite tiver um evento para ir e não tiver tempo de passar em casa, já planeje um outfit que, apenas com algumas pequenas modificações, se adaptará às duas situações.

Segundo, se você é uma pessoa que corre para cima e para baixo o dia todo e necessite de conforto, não tem porque ter mais sapatos de salto do que sapatilhas e tênis (e vice-versa)

Portanto, qual é sua real rotina?

estilo-4

Eu diria que essa é a parte mais divertida de todas, a adaptação. Por exemplo, se você colocou no painel de inspirações a Lady Gaga, mas sabe que a vida não é um show, adeque o que ela veste à sua realidade. Ao invés de um vestido todo bordado de paetês, coloque um detalhe no look com brilho.

Faça um balanço do que você gosta (desejo), com o que você precisa (realidade). Pode ser que seu desejo seja andar de pijama 24 horas por dia, e isso pode ser traduzido em roupas com modelagens mais amplas e tecidos super confortáveis, arrematado com sapatos baixos.

Pense em tudo que você curte visualmente de maneira adaptável à sua realidade. Com o tempo isso passará a ser um hábito e fará sem sequer perceber. Ah, e claro, mantenha dentro do armário apenas aquilo que realmente usa.

Conhecer seu estilo pessoal é otimizar as roupas que temos, fazer as compras valerem e ter uma vida mais leve e autêntica. E não leve tanto em consideração o que os mandões por ai dizem sobre o que é ser elegante. A maior elegância está em sermos autênticos.

Compre, mas com sabedoria

compras-1

Engana-se quem pensa que, ao nos tornarmos mais conscientes, precisamos obrigatoriamente deixar de comprar roupas. Tanto que o próprio conceito de armário cápsula tem um caixa para compras na troca de temporada. O que acontece é que, ao tomarmos consciência do que compramos, observamos tudo com outros olhos.

Por exemplo, você não vai se jogar em qualquer liquidação, comprando uma peça de roupa que você não precisa. Afinal, já sabemos: o que temos é suficiente e qualquer coisa além disso será excesso.

Sempre digo que liquidações servem para duas coisas: a primeira, buscarmos por peças que usaremos por muito tempo. A segunda: adquirirmos as tendências que desejamos por muito tempo, mas por acharmos caro não compramos antes.

E em compras normais, o que levar em consideração?

Vários fatores são determinantes para você escolher uma peça de roupa que valha o investimento. Muito além de preço, marca e estilo, precisamos observar os detalhes (lembre-se, Deus e o diabo habitam neles).

compras-3

A arara é um parque de diversões pra quem ama comprar. E é ai que mora o perigo. As lojas pensam na melhor exposição para te fisgar e levar a gastar. Não pense que isso é errado, afinal, o objetivo de uma loja é qual além de vender?

Antes de sairmos pegando todas as peças para provar, pense em qual realmente se encaixa no seu estilo. Naquele mar de opções, nem tudo é a sua cara e é comum selecionarmos por impulso. Por isso, antes de mais nada, saiba do que realmente gosta.

Depois, pense no que você já tem no armário e se questione se a peça selecionada combinará com pelo menos mais três. Mas nada de básicas como blusas brancas e calças jeans. Pense em estampas e cores. Não dê chances para uma compra desnecessária. Ir à loja sabendo o que já temos é bom, inclusive, pelo fato de evitarmos de comprar peças muito semelhantes às que já temos.

Uma estratégia muito indicada (e já famosa) é a de ver as roupas que curte e dar uma volta, tomar um café ou esperar até o outro dia. Se ela continuar na sua cabeça e você se convencer de que realmente precisa, pode voltar à loja e comprar, porque o desejo pode ser um bom guia.

compras-2

Os provadores não existem por acaso. Sou contra comprar uma roupa sem prová-la, e a chance de errar é muito maior. Lembre-se que as lojas brasileiras não são obrigadas a efetivar trocas a não ser que as peças tenham defeito. Portanto, se você ficar à mercê do lojista, corre o risco de ter uma roupa encalhada no armário.

Mas vamos lá… Você se divertiu na arara, escolheu suas peças preferidas e se fechou dentro do provador. Prove tudo com calma, afinal, é de graça. Em primeiro lugar, veja o caimento. Ele deve ser perfeito, o tecido deve “abraçar” seu corpo e valorizar o que você tem de melhor. Se ficar repuxando de um lado, num comprimento desconfortável, ou que você simplesmente não se sinta à vontade, deixe de lado.

A peça ficou boa? Ok, vamos ao segundo passo. Provavelmente você sabe diferenciar um tecido bom de um ruim. O de qualidade é aquele que sabemos que vai durar por muito tempo se lavarmos da maneira correta e mantivermos bem armazenado, afinal, você não vai lavar uma seda na máquina e guardar de qualquer jeito, né – cuide do que tem.

Vire a peça do avesso. Confira todas as costuras, se estão firmes, veja os acabamentos. Acredite, a roupa deve ser tão bonita “por dentro” quanto “por fora”.

Comprar com consciência, sabendo do que realmente precisamos, faz toda a diferença. Depois disso, é só incrementar os looks. Ah, viu que falei sobre conhecer o próprio estilo? Vou me aprofundar um pouco nesse assunto no próximo post, muito além dos clichês que conhecemos.